FANDOM


A Estlândia (oficialmente Reino da Estlândia em Estlandês: Eveo'anợd) é um país

Reino da Estlândia (português)
720px-Flag of Brazil
Bandeira Nacional
Untitled-2
Brasão de Armas
Timeline: Whatever
Hino: [[Hino Bandeira atual do Reino da Estlândia Estlândia|Эstanợd (Terra da Força)
[[Imagem:|250px]]
fica [[]]
[[Imagem:|250px]]
mapa Bandeira atual do Reino da Estlândia Estlândia, que fica [[]]
Nome Popular Estlândia
Gentílico M: Estlandez;F: Estlandeza
Gentílico Estlandezes
Capital Postnaj
Cidade mais populosa Postnaj
Idioma(s) Oficial(is) Estlandez, Latim
Tipo de governo Monarquia Absolutista
Regime Monárquico Absoluto
- Chefe de governo e de Estado Carlos VI da Estlândia
Religião Oficial Catolicismo Romano
Lema do país Glória a Estlândia (em Português)
Independência Em 1000, Guilherme, o Forte da Estlândia proclama a independência da Estlândia da Dinamarca, se autoproclamando Rei da Estlândia.
- Declarada 11 de Março de 1000
- Reconhecida 23 de Agosto de 1010
- Gini (2014) 40,0
- IDH (2015) 0,939 (3° maior do mundo considerado muito elevado)
- PIB (base PPC) da Estlândia de dados de 2014 - Total: US$ 17,238 bilhões

- Per capita: US$ 70,674

- Moeda do país Coroa Estlandeza (desde 1980)
Código Coniso ESL
Código internet .esl
Código telefônico +898
Por Províncias
Nome da divisão Províncias

nórdico. Sua capital atualmente fica em Postnaj a cidade mais populosa do país. O país tem duas línguas oficiais o estlandês que deriva do nórdico antigo, e o latim. O seu governo atual é uma Monarquia Absolutista. O atual monarca do país é Carlos VI. A Estlândia tem uma população de 10 482 323 milhões de habitantes (dados de 2014).

Início do país Editar

Até o ano 800 a Estlândia ainda não era habitada, já era conhecida de vários exploradores Vikings, mas eles ficaram no país somente durante o inverno, e depois iam embora. Isso veio a mudar em 847 quando o explorador Esvөn Snit chegou até a ilha, lá ele criou uma civilização e se autoproclamou Rei da Estlândia. Em 855 ele morreu e sem ninguém para assumir seu lugar, o país ficou sem um líder, acabou se tornando um caos absoluto e foi então conquistado pela Dinamarca. a conquista Dinamarquesa sobre a Estlândia durou até o ano 1000, quando viajantes cristãos chegaram até o país para pregar a sua fé, e converter o país e por influência deles a Estlândia sobe a liderança de Guilherme, o Forte o primeiro pagão a ser batizado na Estlândia (seguido e apoiado por diversos outros habitantes da ilha). Guilherme se revoltou contra a Dinamarca, essa que não conseguiu conter a revolta. Guilherme então conseguiu a independência da Estlândia e foi o segundo homem a se autoproclamar rei do país, mas dessa vez foi diferente do primeiro rei, ele deixou claro que todos que quisessem ficar em seu país deveriam ser cristãos, e muitos pagãos da época se converteram ao cristianismo (todos católicos). Estlândia foi o primeiro país nórdico a se tornar oficialmente cristão, o Papa Bento VIII foi o responsável pela coroação do Rei Guilherme. Guilherme, o Forte como ficou conhecido foi o responsável por ser fundador a Casa de Guilherme, a primeira e única dinastia a reinar no país até 1919.

Estlândia nas CruzadasEditar

Em 1096 com a proclamação da primeira cruzada pelo Papa Urbano II o país sobe o reinado de Eduardo III da Estlândia lutou nas cruzadas tendo uma boa participação de seu forte e corajoso exército liderado pelo próprio rei, que deixou seu filho como regente no país, o príncipe Guilherme IX, que viria a se tornar Guilherme IX, o Grande. E isso fez o país ser mais reconhecido por países maiores. Com o fim da primeira cruzada o país firmou boas relações com o recém-criado reino de Jerusalém, e com o Império Bizantino. O país lutou em todas as outras cruzadas sempre com o seu bom desempenho.

Expansão EstlandezaEditar

Até 1340 o país estava vivendo uma considerável paz sobe o reinado de Alfredo III da Estlândia, quando esse morreu deixou o reino para seu jovem herdeiro de vinte anos, Alexandre I da Estlândia. Conhecido por estudar muito sobre a Grécia antiga e sobre o Império Romano. Alexandre I em autobiografia dizia se inspirar muito no conquistador macedônio Alexandre, o Grande. E por causa disso, em 1343 Alexandre I declarou guerra ao seu país vizinho, a Dinamarca e a Islândia. Isso fez a popularidade de Alexandre cair entre o povo da Estlândia, mas foi somente até o final da guerra em 1350 quando Alexandre I da Estlândia conquistou a Dinamarca e a Islândia e no mesmo ano declarou guerra a Suécia a conquistando no ano seguinte. Por Alexandre ter um grande apoio do papa, seu povo voltou a lhe respeitar ainda mais depois de todas suas vitórias. Depois conquistou as Ilhas de Faroé, a declarou guerra a Finlândia mas não viveu o suficiente para conquistar a mesma. Morreu 1352, seu filho, Cristiano I, assumiu o comando do país, que passou a ser chamado de Reino Unido da Estlândia. E na liderança do rei Cristiano I o país conquistou a Finlândia, Groenlândia, Órcades e Xetlândia. Em 1359, Cristiano I declarou guerra a Noruega essa que ao ver que quase todos os países escandinavos haviam sido conquistados pela Estlândia fez uma aliança com a Suécia para lutar contra o grande Reino de Cristiano I. Mas ambos perderam, e a Suécia e a Noruega foram anexadas a Estlândia.

A queda, a revolução e a ressureiçãoEditar

A Estlândia em 1914 vivia seus melhores momentos, tinha um ótimo poderio militar, e uma economia estável e crescente. O país era o único em toda a Escandinávia. O país mantinha o que sempre deu certo, o rei Eduardo X tinha poder absoluto e era amado pelo povo. Muitos historiadores dizem, que o grande erro do rei foi ter entrado na primeira guerra mundial achando que aquilo seria algo pequeno. O país sofreu muito na guerra mesmo com seu grande número de militares com um bom treinamento. Em 1918 a Estlândia se tornou um país quebrado pós primeira guerra mundial, sua economia estava quase quebrando e o exército fraco. Diversas revoltas começaram a acontecer no país levando a independência da Dinamarca, Noruega, e todos os outros que a Estlândia havia anexado a muito tempo atrás. E a Estlândia voltou a ser somente aquela ilha descoberta por exploradores no ano 800. Vendo a recente revolução acontecida na Rússia e que diversas manifestações socialistas começaram a acontecer na Estlândia, Eduardo X mandou toda a Família Real Estlandeza em asilo na França e somente ele ficou no país, disse uma frase marcante relembrada por muitos patriotas do país.

Somos um país forte, de nosso passado ao nosso presente e sei que seremos fortes no nosso futuro. Não temerei, e não sentirei medo se o povo estiver ao meu lado. Glória a Estlândia.”

Rei Eduardo X, 1918.

No mesmo ano uma grande revolução socialista armada aconteceu no país, sobe a liderança de Cheslok Vantemont, visando fazer no país o mesmo que tinha acontecido na Rússia, mas ele não tinha o apoio do povo, diferente do Rei Eduardo X, que mesmo após os seus erros governando o país, ainda tinha o amor de todo o povo da Estlândia. Mas já não tinha mais forças para lutar contra a revolução, o rei não se rendeu e foi capturado e executado pelo revolucionário socialista Cheslok Vantemont. A Família Real recebeu a notícia do assassinato na França. O corpo do rei foi para a Cripta da Família Real da Estlândia. Quando os Socialistas tomaram o poder do país, tiveram que reprimir fortemente o povo que era contra, tendo tido diversos assassinatos, e diversas revoltas vindo do próprio povo.

O revolucionário Cheslok Vantemont não conseguiu se manter no poder por muito tempo após criar a República Socialista Democrática da Estlândia. O próprio povo tomou poder do país em 1920 antes que o mesmo pudesse ter colocado em ação o socialismo no país. O desejo da maioria era a restauração da Monarquia Absoluta, mas isso não aconteceu devido a família real estar na França. Visando uma solução temporária até o retorno da família real, a República temporária da Estlândia foi criada. Durante os 3 meses que durou eles usaram como bandeira o brasão da Família Real. Quando a família real voltou ao país, ainda não tendo atingido a maioridade de 17 anos o filho de Eduardo X, futuro Rei Magno I a Monarquia Absoluta no país foi restaurada, e a ex-esposa de Eduardo X, Rainha Matilda assumiu como regente de seu filho. Ela estabilizou o país economicamente, e militarmente. Quando seu filho foi coroado rei, o jovem Magno I procurou trazer paz ao povo, e conseguiu sendo até mais amado que seu pai. O país voltou a crescer aos poucos, e atualmente é um dos melhores países para se viver no mundo, e por lá qualquer tipo de socialismo é completamente banido.

DemografiaEditar

O órgão de estatística oficial da Estlândia é o Instituto Estlandez de Estatística (IEE). De acordo com este mesmo órgão a maioria dos Estlândezes (94% é Católica Romana). A Igreja Católica é a principal denominação religiosa do país e representa quase toda a população. O país mantém uma boa relação com o Vaticano e tem o Catolicismo Romano como religião oficial do país.

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.