História alternativa Wiki
Advertisement
à UE
Republik Preussen
República da Prússia
Prussiaflag Prussiancoatofarms
Bandeira Brasão
Capital
(e cidade mais populosa)
Königsberg
Línguas oficiais Alemão
Línguas regionais Polonês e cassúbio
Gentílico prussiano(a)
Governo República federal parlamentarista
 -  Presidente Valeska Ostrowski
 -  Chanceler Federal Henrik Becker
Estabelecimento
 -  Reino da Prússia 18 de janeiro de 1701 
 -  Primeira constituição 30 de novembro de 1920 
 -  República socialista 25 de fevereiro de 1947 
 -  Atual constituição 30 de dezembro de 1990 
Adesão 25 de março de 1995
Área
 -  Total 57 584 km2 
57 584 sq mi 
População
 -   (estimativa) 5 803 913 hab. 
PIB (PPP)  (estimativa)
 -  Total US$ 917,8 bilhões 
 -  Per capita US$ 32 711 
IDH  0,891 (muito alto) 
Moeda Coroa Prussiana (PKr)


Prússia (em alemão: Preußen, em polonês/polaco: Prusy), oficialmente República da Prússia (em alemão: Republik Preußen, polonês/polaco: Rzeczpospolita Prusy), é um país da Europa Central que tem fronteiras comuns com a Polônia ao oeste-sul, com a Lituânia ao leste e com o Mar Báltico ao norte. A área total da nação é 57 584 quilômetros quadrados, o que a torna o 126.º maior país do mundo e o 27.º maior da Europa. Com uma população de mais de 5,8 milhões de pessoas, a Prússia é o 117.º país mais populoso do mundo e o 25.º membro mais populoso da Europa. A Prússia é um Estado federal dividido em 7 Estados (subdivisões administrativas).

No século XIV, os cruzados alemães — os Cavaleiros Teutônicos — conquistaram os prussianos. Em 1308, os Cavaleiros Teutônicos conquistaram a região da Pomerélia e Gedano (Danzigue). O Estado da Ordem Teutónica foi germanizado principalmente pela imigração da Alemanha central e ocidental, e foi polonizado por colonos de Mazóvia. A Segunda Paz de Toruń (1466) dividiu a Prússia nas regiões Ocidental — a Prússia Real, uma província do Reino da Polônia, que posteriormente ficou sob proteção da República das Duas Nações — e a parte Oriental — o Ducado da Prússia (a partir de 1525), um feudo da Coroa da Polônia até 1657. A unidade de ambas as partes da Prússia foram preservadas pela manutenção das suas fronteiras, da cidadania de seus habitantes e da sua autonomia política.

A união de Brandemburgo e o Ducado da Prússia em 1618 culminou na proclamação do Reino da Prússia, em 1701, quando o país se tornou uma das grandes potências de sua época, com maior influência nos séculos XVIII e XIX. Durante o século XVIII, sob o reinado de Frederico, o Grande, a nação teve uma grande influência em muitos assuntos internacionais. Durante o século XIX, o chanceler Otto von Bismarck uniu os principados alemães numa Pequena Alemanha, que excluía o Império Austríaco. No Congresso de Viena (1814-1815), que redesenhou o mapa político da Europa após a derrota de Napoleão, a Prússia adquiriu uma grande parte do noroeste do que atualmente é a Alemanha, incluindo o Vale do Ruhr, uma região rica em carvão. O reino então cresceu rapidamente na influência econômica e política, quando, em 1867, tornou-se o núcleo da Confederação da Alemanha do Norte e, em 1871, do Império Alemão. Neste período, a Prússia era tão grande e tão dominante na nova Alemanha que os junkers e outras elites prussianas eram cada vez mais identificadas como alemães e cada vez menos como prussianos.

O reino foi dissolvido em 1918, durante a Revolução Alemã de 1918-1919, que marcou o fim da Primeira Guerra Mundial. Em 1932, seu Estado sucessor, a República de Weimar, perdeu quase toda a importância jurídica e política que a Prússia havia conquistado. Posteriormente, as velhas elites prussianas acabaram por desempenhar um papel passivo após a criação da Alemanha nazista; a Prússia foi tomada pelos soviéticos em 1945, onde ocuparam o país até 1947, quando foi proclamada a República Socialista da Prússia. Depois de um breve período de uma guerra civil de baixa intensidade, referendos e eleições fraudadas, o país se tornou um dos integrantes da Cortina de Ferro, o conjunto de países aliados da União Soviética. Durante as Revoluções de 1989, o governo comunista prussiano foi derrubado e a Prússia adotou uma nova constituição, que estabeleceu o país como uma democracia e o renomeou para República da Prússia.

A Prússia é um país desenvolvido com economia avançada e com padrões de vida elevados. Apesar da enorme destruição causada no país pela Segunda Guerra Mundial, a Prússia conseguiu preservar grande parte da sua riqueza cultural. Há no país 12 lugares inscritos na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO, além de outros 63 "Monumentos Históricos". Atualmente, a Prússia é considerada um país com um desenvolvimento humano "muito alto".

História[]

Antiguidade[]

Image4

Situação após a conquista no final do século XIII. Áreas em roxo sob o controle do Estado da Ordem Teutônica

Image5

Após a Segunda Paz de Toruń (1466). Estado Ordem Teutônica: laranja

Nos séculos VII e VIII, os viquingues também começaram a penetrar a costa oriental do mar Báltico. Os maiores centros de comércio dos prussianos, como Truso e Kaup, parecem ter absorvido alguns viquingues. Prussianos usavam o mar Báltico como uma rota comercial, frequentemente viajando de Truso a Birka (atual Suécia). No final da Era Viquingue, os filhos do rei dinamarquês Harald e Canuto o grande lançaram várias expedições contra os prussianos. Eles destruíram muitas áreas na Prússia, incluindo Truso e Kaup, mas não conseguiu dominar totalmente a população. A presença de viquingues (varegues) na área foi "menos dominante e muito, muito menos do que imperial."

Em 1211, André II da Hungria concedeu Burzenland na Transilvânia como um feudo dos Cavaleiros Teutônicos. Em 1225, André II expulsou os Cavaleiros Teutônicos da Transilvânia, e eles tiveram que se transferir para o mar Báltico. Conrado I, o duque polaco de Mazóvia, tentou em vão conquistar a Prússia pagã nas cruzadas em 1219 e 1222. Em 1226, o duque Conrado I convidou os Cavaleiros Teutônicos, uma ordem militar alemã de cavaleiros cruzados, com sede no Reino de Jerusalém, em Acre, para conquistar as tribos prussianas bálticas em suas fronteiras.

Durante 60 anos de lutas contra os prussianos, a ordem criou um estado independente, que passou a controlar a Prússia. Depois dos Irmãos Livônios da Espada ingressarem na Ordem Teutônica em 1237, eles também controlaram a Livônia (atual Letônia e Estônia). Por volta de 1252, eles terminaram a conquista da tribo prussiana setentrional dos escalvianos assim como os ocidentais Curônios bálticos, e ergueram o castelo de Memel, que se tornou a cidade portuária de Memel (atual Klaipėda). A fronteira final entre a Prússia e a adjacente Grão-Ducado da Lituânia foi determinada no Tratado de Melno em 1422.

A Liga Hanseática foi formada oficialmente no norte da Europa em 1356 como um grupo de cidades comerciais que passaram a ter um monopólio sobre todo o comércio deixando o interior da Europa e a Escandinávia sob o controle do comércio no mar Báltico para países estrangeiros. Os empresários do interior da Suécia, Dinamarca e Polônia sentiram-se oprimidos pela Liga Hanseática.

No decorrer do Ostsiedlung os colonos foram convidados, trazendo mudanças na composição étnica, bem como na língua, cultura e direito. Como a maioria desses colonos eram alemães, o baixo-alemão se tornou a língua dominante.

Os cavaleiros estavam subordinados ao papa e ao imperador. Sua inicialmente estreita relação com a Coroa polonesa deteriorou depois que eles conquistaram em 1308 a Pomerélia e Danzigue controlada pelos poloneses. Posteriormente, a Polônia e a Lituânia, se aliaram através da União de Krewo de 1385, e derrotaram os Cavaleiros teutônicos na Batalha de Grunwald (Tanemberga), em 1410.

A Guerra dos Treze Anos (1454-1466) começou quando a Confederação Prussiana, uma coalizão de cidades hanseáticas da Prússia Ocidental, se rebelou contra a ordem e com ajuda solicitada ao rei polonês. Os Cavaleiros Teutônicos foram forçados a reconhecer a soberania e prestar homenagem ao rei Casimiro IV da Polônia na Segunda Paz de Toruń (1466), perdendo a Prússia Ocidental (Prússia Real) para a Polônia. De acordo com a Segunda Paz de Toruń, foram estabelecidos dois estados prussianos.

Em 1525, o grão-mestre Alberto de Brandemburgo-Ansbach, um membro da Casa de Hohenzollern, se tornou luterano protestante e secularizou os restantes dos territórios prussianos da ordem para o Ducado da Prússia. Esta foi a área leste da foz do rio Vístula, mais tarde chamado às vezes de "Prússia adequada". Pela primeira vez, essas terras chegaram às mãos da família Hohenzollern. A dinastia Hohenzollern havia governado o Marca de Brandemburgo, a oeste, um estado alemão centrado em Berlim, desde o século XV. Além disso, com sua renúncia da ordem, Alberto agora podia se casar e produzir herdeiros legítimos.

Brandemburgo-Prússia[]

Image2

Homenagem Prussiana: Alberto da Prússia recebe a Prússia Ducal como um feudo do rei Sigismundo I da PolôniaPor Jan Matejko

Image3

Frederico Guilherme II e sua esposaPor Pieter Nason


Brandemburgo e Prússia foram unificadas duas gerações mais tarde. Ana, neta de Alberto I e filha do duque Alberto Frederico (reinou entre 1568-1618), se casou com seu primo príncipe-eleitor João Segismundo de Brandemburgo. Após a morte de Alberto Frederico em 1618, que morreu sem herdeiros masculinos, a João Segismundo foi concedido o direito de sucessão ao Ducado da Prússia, que ainda era um feudo polonês. A partir deste momento o Ducado da Prússia estava em união pessoal com a Marca de Brandemburgo. O estado resultante, conhecido como Brandemburgo-Prússia, consistiu em territórios geograficamente desconectados na Prússia, Brandemburgo, e as terras Renânia de Cleves e Mark.

Durante a Guerra dos Trinta Anos, as terras desconectadas de Hohenzollern foram repetidas vezes conquistadas por vários exércitos, especialmente os suecos que a ocupavam. O ineficaz e militarmente fraco marquês Jorge Guilherme (1619-1640) fugiu de Berlim para Conisberga (atual Caliningrado), a capital histórica do Ducado da Prússia, em 1637. Seu sucessor, Frederico Guilherme I (1640-1688), reformou o exército para defender as terras.

Frederico Guilherme I foi a Varsóvia em 1641 para homenagear o rei Vladislau IV Vasa da Polônia, considerando o Ducado da Prússia ainda um feudo da coroa polonesa. Na primeira fase da Segunda Guerra do Norte (1654-1660), ele tomou o ducado como um feudo do rei da Suécia, que mais tarde lhe concedeu plena soberania no Tratado de Labiau. Em 1657, esta concessão foi renovada pelo rei polonês nos tratados de Wehlau e Bromberg. Com a Prússia, a dinastia de Hohenzollern e Brandemburgo agora organizaram um território livre de quaisquer obrigações feudais, que constituíram a base para a sua elevação mais tarde para reis.

Frederico Guilherme I tornou-se conhecido como o "Grande Eleitor" por suas realizações na organização do eleitorado, o que ele realizou através da criação de uma monarquia absoluta (ver absolutismo) em Brandemburgo-Prússia. Acima de tudo, ele enfatizou a importância de uma poderosa força militar para proteger os territórios desconectados do estado, enquanto o Édito de Potsdam abriu Brandemburgo-Prússia para a imigração de refugiados protestantes, e estabeleceu uma burocracia para realizar negócios de estado de forma eficiente.

Reino da Prússia[]

Mapa

Crescimento de Brandemburgo-Prússia, 1600-1795

Em 18 de janeiro de 1701, o filho de Frederico Guilherme, príncipe-eleitor Frederico III, promoveu a Prússia de um ducado a um reino e coroou a si mesmo rei Frederico I. Para evitar ofender a Polônia, onde uma parte da antiga Prússia estava, o imperador Leopoldo I permitiu que Frederico I usasse apenas o título de "Rei na Prússia", e não "Rei da Prússia". O estado de Brandemburgo-Prússia tornou-se conhecido como "Prússia", embora a maior parte do seu território, em Brandemburgo, Pomerânia, e oeste da Alemanha, estava fora da Prússia adequada. O estado prussiano cresceu em esplendor durante o reinado de Frederico I, que patrocinou as artes às custas do tesouro.

Frederico I foi sucedido por seu filho, Frederico Guilherme I (1713-1740) o austero "Rei Soldado", que não se importava com as artes, mas foi econômico e prático. Ele é considerado o criador da burocracia prussiana propalada e o exército permanente profissionalizado, que ele desenvolveu em um dos mais poderosos da Europa, embora suas tropas apenas brevemente entraram em ação durante a Grande Guerra do Norte. Tendo em vista o tamanho do exército em relação à população total, Mirabeau disse mais tarde: Prússia, não é um estado com um exército, mas um exército com um Estado. Além disso, Frederico Guilherme I acolheu mais de 12 000 refugiados protestantes de Salzburgo pouco povoada da Prússia oriental, que acabou sendo estendida para a margem oeste do rio Memel, e outras regiões. No tratado de Estocolmo de 1720, adquiriu a metade da Pomerânia sueca.

O rei morreu em 1740 e foi sucedido por seu filho, Frederico II, cujas realizações levou a sua reputação como "Frederico, o Grande". Como príncipe herdeiro, Frederico se concentrou, principalmente, na filosofia e nas artes. Ele era um flautista talentoso. Em 1740, tropas prussianas atravessaram a fronteira indefesa da Silésia e ocuparam Schweidnitz. A Silésia foi a província mais rica de da Monarquia de Habsburgo. O evento marcou o início de três Guerras da Silésia (1740-1763). A Primeira Guerra da Silésia (1740-1742) e a Segunda Guerra da Silésia (1744-1745) têm, historicamente, sido agrupada a Guerra de Sucessão Austríaca (1740-1748). O arquiduque da Áustria Carlos III morreu em 20 de outubro de 1740. Ele foi sucedido por sua filha, Maria Teresa.

Ao derrotar o exército austríaco na batalha de Mollwitz em 10 de abril de 1741, Frederico conseguiu conquistar a Baixa Silésia (a metade noroeste da Silésia). No ano seguinte, 1742, ele conquistou a Alta Silésia (a metade sudeste). Além disso, na Terceira Guerra da Silésia (geralmente agrupado com a Guerra dos Sete Anos) Frederico obteve uma vitória sobre a Áustria na Batalha de Lobositz em 1 de outubro de 1756. Em 3 de novembro de 1760, Frederico ganhou outra batalha decisiva, Batalha de Torgau. Com esta vitória e a vitória geral na Guerra dos Sete Anos, Frederico, aliado com a Grã-Bretanha, Hanôver e Hesse-Kassel, foi capaz de segurar toda a Silésia contra uma coalizão da Saxônia, Áustria, França e Rússia. Voltaire, um amigo próximo do rei, uma vez descreveu Frederico, o Grande, dizendo: "...Era um espartano de manhã, e à tarde Atenas". A partir dessas guerras em diante, a rivalidade entre Áustria e Prússia dominou a política alemã até 1866.

A Silésia, cheia de solos ricos e cidades prósperas para fábricas, se tornou uma região vital para a Prússia, aumentando grandemente a área do país, população e riqueza. O sucesso no campo de batalha contra a Áustria e outras potências provou que o status da Prússia como uma das grandes potências da Europa. As Guerras da Silésia começaram há mais de um século de rivalidades e conflitos entre a Prússia e a Áustria, os dois estados mais poderosos que operam dentro do Sacro Império Romano-Germânico (embora, ironicamente, ambos tinham extenso território fora do império). Em 1744 o Condado de Frísia Oriental caiu perante a Prússia após a extinção da dinastia Cirksena.

Nos últimos 23 anos de seu reinado até 1786, Frederico II, que se entendeu como o "primeiro servo do Estado", promoveu o desenvolvimento das áreas da Prússia como o Oderbruch. Ao mesmo tempo, ele construiu o poder militar da Prússia e participou da primeira partição da Polônia com a Áustria e Rússia (1772), um ato que geograficamente ligou territórios de Brandemburgo com os da Prússia adequada. Durante este período, ele também abriu as fronteiras da Prússia aos imigrantes que fugiam da perseguição religiosa em outras partes da Europa, como os huguenotes. Prússia se tornou um refúgio seguro, da mesma forma que os Estados Unidos receberam imigrantes em busca da liberdade no século XIX.

Prussiaflag

Bandeira do Reino da Prússia entre 1892 e 1918

Frederico, o Grande, o primeiro "Rei da Prússia", praticou despotismo esclarecido. Ele introduziu um código civil geral, aboliu a tortura e estabeleceu o princípio de que a Coroa não iria interferir em assuntos de justiça. Ele também promoveu um ensino secundário superior, o precursor do sistema (escola de gramática), que prepara os alunos mais brilhantes para os estudos universitários. O sistema de ensino prussiano foi imitado em vários países, incluindo os Estados Unidos.

Guerras Napoleônicas[]

Frederikwilhelmiv

Frederico Guilherme IV

Durante o reinado do rei Frederico Guilherme II (1786-1797), a Prússia anexou território polonês através de outras partições da Polônia. Seu sucessor, Frederico Guilherme III (1797-1840), anunciou a união da igreja luterana da Prússia e as igrejas reformadas em uma.

Prússia tomou parte importante nas guerras revolucionárias francesas, mas permaneceu em silêncio por mais de uma década, devido à Paz de Basileia, de 1795, só para ir mais uma vez para a guerra com a França em 1806 as negociações com aquele país sobre a alocação dos domínios de influência na Alemanha falhou. A Prússia sofreu uma derrota devastadora contra as tropas de Napoleão Bonaparte na Batalha de Jena–Auerstedt, levando Frederico Guilherme III e sua família a fugir temporariamente para Memel (Klaipėda). Nos termos dos Tratados de Tilsit em 1807, o estado perdeu cerca de um terço de sua área, incluindo as áreas adquiridas com a segunda e a terceira partição da Polônia, que agora caiu para o Ducado de Varsóvia. Além disso, o rei foi obrigado a pagar uma grande indenização, para seu exército a 42 000 homens, e para permitir que as tropas francesas sejam guarnecidas por toda a Prússia, efetivamente tornando um reino satélite francês.

Em resposta a esta derrota, reformadores como Stein e Hardenberg definiram sobre a modernização do estado prussiano. Entre as suas reformas estavam a libertação dos camponeses da servidão, e a emancipação dos judeus tornando os cidadãos com pleno direito. O sistema escolar foi reorganizado, e em 1818 o comércio livre foi introduzido. O processo de reforma do exército terminou em 1813 com a introdução do serviço militar obrigatório.

Após a derrota de Napoleão na Rússia, a Prússia encerrou sua aliança com a França e participou na Sexta Coalizão durante as "Guerras de Libertação" (Befreiungskriege) contra a ocupação francesa. Tropas prussianas sob o marechal Gebhard Leberecht von Blücher contribuíram decisivamente (com os britânicos) na Batalha de Waterloo de junho de 1815 com a vitória final sobre Napoleão. A recompensa da Prússia, em 1815, no Congresso de Viena foi a recuperação de seus territórios perdidos, bem como toda a Renânia, Vestfália, e alguns outros territórios. Essas terras ocidentais estavam a ser de importância vital, porque eles incluíram a área de Ruhr, o centro da recente industrialização da Alemanha, especialmente na indústria de armas. Estes ganhos territoriais significou também a duplicação da população da Prússia. Em troca, a Prússia se retirou das áreas da Polônia central para permitir a criação do Congresso da Polônia sob a soberania russa.

A Prússia emergiu das guerras napoleônicas como a potência dominante na Alemanha, ofuscando há muito tempo a rival Áustria, que tinha abdicado à coroa imperial em 1806. Em 1815, a Prússia se tornou parte da Confederação Germânica.

A primeira metade do século XIX viu uma luta prolongada na Alemanha entre os liberais, que queriam uma Alemanha unida e federal sob uma constituição democrática, e os conservadores, que queriam manter a Alemanha como uma manta de retalhos de estados independentes, monárquicos com a Prússia e a Áustria competindo por influência. Um pequeno movimento que marcou o desejo de unificação alemã neste período foi o movimento estudantil Burschenschaft, por estudantes que incentivaram o uso da bandeira preto-vermelho-ouro, as discussões sobre a nação alemã unificada, e um sistema político progressista e liberal. Por causa do tamanho da Prússia e da importância econômica, os estados menores começaram a se associar sua área a uma zona de livre comércio em 1820. A Prússia se beneficiou com a criação em 1834 da união aduaneira alemã (Zollverein), que incluiu a maioria dos estados alemães mas excluiu a Áustria.

Em 1848, os liberais viram uma oportunidade quando revoluções eclodiram em toda a Europa. Alarmado, o rei Frederico Guilherme IV concordou em convocar uma assembleia nacional e outorgar uma constituição. Quando o Parlamento de Frankfurt ofereceu a Frederico Guilherme IV a coroa de uma Alemanha unificada, ele se recusou, alegando que ele não aceitaria uma coroa de um conjunto revolucionário sem a aprovação dos outros monarcas da Alemanha.

O parlamento de Frankfurt foi forçado a se dissolver em 1849, e Frederico Guilherme IV emitiu a primeira constituição da Prússia pela sua própria autoridade, em 1850. Este documento conservador previa uma casa de dois parlamentos. A casa mais baixa, ou Landtag foi eleita por todos os contribuintes, que foram divididos em três classes, cujos votos foram ponderados de acordo com a quantidade de impostos pagos. Mulheres e aqueles que pagavam nenhum imposto não tinham direito ao voto. Isto permitiu um pouco mais de um terço dos eleitores para escolher 85% da legislatura, todos garantindo o domínio do mais bem de vida e dos homens da população. A casa superior, que mais tarde passou a se chamar Herrenhaus ("Casa dos Lordes"), foi nomeado pelo rei. Ele manteve a autoridade executiva plena e os ministros eram responsáveis ​​somente a ele. Como resultado, a aderência das classes proprietárias de terras, os Junkers, permaneceu intacta, especialmente nas províncias orientais.

Guerras de unificação[]

Preussenexpansion

Expansão da Prússia 1807–1871


Em 1862, o rei Guilherme I nomeou Otto von Bismarck como primeiro-ministro da Prússia. Bismarck estava decidido a derrotar ambos os liberais e os conservadores e aumentar a supremacia prussiana e a influência entre os estados alemães. Tem havido muito debate sobre se Bismarck realmente planejou criar uma Alemanha unida quando partiu nesta jornada, ou se ele simplesmente se aproveitou das circunstâncias. Certamente suas memórias pintam um quadro róseo de um idealista, mas estes foram escritos com o benefício da retrospectiva e certos eventos cruciais que não poderiam ser previstos. O que está claro é que Bismarck apoiou grandes setores da população com a promessa de levar a luta para uma maior unificação alemã. Ele eventualmente guiou a Prússia através de três guerras que em conjunto trouxeram Guilherme para a posição de Imperador Alemão.

Guerras Eslésvico[]

O Reino da Dinamarca estava no momento em união pessoal com os ducados de Eslésvico e Holsácia, sendo que ambos tinham laços estreitos um com o outro, embora apenas Holsácia fazia parte da Confederação Germânica. Quando o governo dinamarquês tentou integrar Eslésvico, mas não Holsácia, para o estado dinamarquês, a Prússia levou a Confederação Germânica contra a Dinamarca na Primeira Guerra do Eslésvico (1848-1851). Porque o Império Russo apoiou o Império Austríaco, a Prússia também admitiu predominância na Confederação Germânica para a Áustria no Pontilhado de Olmütz em 1850.

Em 1863, a Dinamarca introduziu uma constituição compartilhada para a Dinamarca e Eslésvico. Isso levou a um conflito com a Confederação Germânica, que autorizou a ocupação de Holsácia pela Confederação, da qual forças dinamarquesas se retiraram. Em 1864, forças prussianas e austríacas cruzaram a fronteira entre Holsácia e Eslésvico iniciando a Segunda Guerra do Eslésvico. As forças austro-prussianas derrotaram os dinamarqueses, que entregaram os dois territórios. Na Convenção de Gastein, de 1865 a Prússia assumiu a administração de Eslésvico enquanto a Áustria assumiu a de Holsácia.

Guerra Austro-Prussiana[]

Bismarck percebeu que a dupla administração de Eslésvico e Holsácia era apenas uma solução temporária, e as tensões aumentaram entre o Reino da Prússia e o Império Austríaco. A luta pela supremacia na Alemanha, em seguida, levou à Guerra Austro-Prussiana (1866), desencadeada pela disputa sobre Eslésvico e Holsácia.

No lado austríaco no sul estavam os estados alemães (incluindo a Baviera e Vurtemberga), alguns estados alemães centrais (incluindo Saxônia) e Hanôver, no norte. No lado da prussiano estavam o Reino da Itália, e a maioria dos estados do norte da Alemanha, e alguns estados centrais menores.

Posteriormente, as tropas prussianas estavam melhor armadas e conquistaram a vitória fundamental na batalha de Königgrätz sob Helmuth von Moltke. O conflito centenário entre Berlim e Viena pelo domínio da Alemanha tinha acabado. Como um show a parte nesta guerra, a Prússia derrotou Hanôver, na batalha de Langensalza (1866). Enquanto Hanôver esperava em vão a ajuda da Grã-Bretanha (já que o Reino de Hanôver havia estado previamente em união pessoal com o Reino Unido), a Grã-Bretanha ficou de fora de um confronto com uma superpotência continental e a Prússia satisfeita com o seu desejo de fundir os territórios, uma vez separados e assim ganhou forte poder econômico e estratégico, particularmente no acesso total aos recursos do vale do Ruhr.

Bismarck desejou ter a Áustria como um aliado no futuro, e por isso ele não quis anexar qualquer território austríaco. Mas na Paz de Praga, em 1866, a Prússia anexou quatro dos aliados austríacos no norte e no centro da Alemanha, Hanôver, Hesse-Kassel, Nassau e Frankfurt. A Prússia também ganhou o controle total de Eslésvico-Holsácia. Como resultado desses ganhos territoriais, a Prússia se estendeu agora ininterruptamente através de dois terços do norte da Alemanha que continha dois terços da população. A Confederação Germânica foi dissolvida, e a Prússia agrupou 21 estados norte do rio Meno para formar a Confederação da Alemanha do Norte.

A Prússia foi o Estado dominante na nova confederação, como um reino composto praticamente de quatro quintos do território do novo Estado e da população. O controle quase total da Prússia sobre a confederação foi garantido na constituição redigida por Bismarck em 1867. O poder executivo foi realizado por um presidente, coadjuvado por um chanceler responsável apenas a ele. A presidência foi um cargo hereditário dos governantes Hohenzollern da Prússia. Houve também uma casa de dois parlamentos. A casa baixa, ou Reichstag, foi eleita por sufrágio universal masculino. A casa superior, ou Bundesrat (Conselho Federal), foi nomeado pelos governos estaduais. O Conselho Federal era, na prática, a casa mais forte. A Prússia teve 17 de 43 votos, e poderia facilmente controlar processos através de alianças com outros estados.

Como resultado das negociações de paz, os estados no sul do rio Meno permaneceram teoricamente independentes, mas não receberam a proteção (obrigatória) da Prússia. Além disso, foram assinados tratados de defesa mútua. No entanto, a existência desses tratados foi mantida em segredo até que Bismarck os publicou em 1867, quando a França tentou adquirir Luxemburgo.

Guerra Franco-Prussiana[]

A polêmica com o Segundo Império Francês sobre a candidatura de um Hohenzollern ao trono espanhol foi intensificado tanto pela França como por Bismarck. Com seu despacho de Ems, Bismarck aproveitou um incidente no qual o embaixador francês se aproximou de Guilherme I. O governo de Napoleão III, à espera de outra guerra civil entre os estados alemães, declarou guerra à Prússia, continuando a inimizade franco-alemã. Honrando os seus tratados, no entanto, os estados alemães juntaram forças e rapidamente derrotaram a França na Guerra Franco-Prussiana em 1870. Após a vitória sob a liderança de Bismarck, Baden, Vurtemberga e a Baviera, que tinham ficado de fora da Confederação da Alemanha do Norte aceitaram a incorporação em um Império Alemão unificado.

O império era uma solução da Pequena Alemanha para a questão de unir todos os povos de língua alemã em um estado, pelo facto de excluir a Áustria, que permaneceu conectada ao Reino da Hungria e cujos territórios incluía populações não-alemães. Em 18 de janeiro de 1871 (o 170º aniversário da coroação do rei Frederico I), Guilherme foi proclamado "Imperador Alemão" (não "Imperador da Alemanha") no Salão dos Espelhos em Versalhes, perto de Paris, quando a capital francesa ainda estava sob cerco.

Império Alemão[]

As duas décadas após a Unificação Alemã foi o pico das fortunas da Prússia, mas as sementes para o potencial conflito foram construídos no sistema político prussiano-alemão.

German.empire

Prússia no Império Alemão 1871–1918


A constituição do Império Alemão era uma versão ligeiramente modificada da constituição da Confederação da Alemanha do Norte. Oficialmente, o Império Alemão foi um estado federal. Na prática, a relação do Reino da Prússia com o resto do império foi um pouco confuso. O reino de Hohenzollern incluiu três quintos do território alemão e dois terços da sua população. O Exército Imperial Alemão foi, na prática, um exército prussiano ampliado, embora os outros reinos (Baviera, Saxônia e Vurtemberga) mantiveram seus próprios exércitos.

A coroa imperial era um cargo hereditário da Casa de Hohenzollern, a casa real da Prússia. O primeiro-ministro da Prússia, com exceção de dois períodos curtos (janeiro a novembro de 1873 e 1892-1894), também era chanceler imperial. Mas o próprio império não tinha o direito de cobrar impostos diretamente de seus súditos; os únicos rendimentos totalmente sob o controle federal foram os direitos aduaneiros, impostos especiais de consumo comuns, e as receitas de prestação de serviços postais e telegráficos. Embora todos os homens acima de 25 anos de idade eram elegíveis para votar nas eleições imperiais, a Prússia manteve o seu sistema de votação restritivo de três classes. Isso de forma eficaz exigia que o rei/imperador e o primeiro-ministro/chanceler procurassem maiorias das legislaturas eleitas por duas franquias diferentes. Em ambos o reino e o império, os círculos eleitorais originais nunca foram redesenhados para refletir as mudanças na população, o que significa que as zonas rurais foram grosseiramente sobre-representados na virada do século XX.

Como resultado, o Reino da Prússia e o Império Alemão foram uma espécie de paradoxo. Bismarck sabia que seu novo Reich Alemão agora era um colosso fora de qualquer proporção com o resto do continente. Com isso em mente, ele declarou a Alemanha uma potência satisfeita, usando seus talentos para preservar a paz, por exemplo, no Congresso de Berlim. Bismarck tinha quase nenhum sucesso em algumas de suas políticas internas, como o anticatólico Kulturkampf, mas ele também teve sucesso misto em uns como a germanização ou expulsão dos poloneses de nacionalidade estrangeira (russo ou Austro-Húngaro).

Frederico III foi imperador por apenas 99 dias em 1888 após a morte de seu pai, por câncer.

Aos 29 anos, Guilherme se tornou imperador Guilherme II, após uma juventude difícil e conflitos com sua mãe britânica Vitória, Princesa Real. Ele acabou por ser um homem de pouca experiência, visões estreitas e reacionárias, o julgamento pobre e mau humor ocasional, que alienou antigos amigos e aliados.

Ferrovias[]

A Prússia nacionalizou suas ferrovias na década de 1880, em um esforço tanto para baixar as taxas de serviço de frete e para equalizar as taxas entre os carregadores. Em vez de baixar as taxas, tanto quanto possível, o governo recorreu para as estradas de ferro como um esforço lucrativo, e os lucros ferroviários se tornaram uma importante fonte de receitas para o Estado. A nacionalização das ferrovias retardou o desenvolvimento econômico da Prússia, porque o Estado favoreceu as áreas agrícolas relativamente atrasadas em sua construção ferroviária. Além disso, os excedentes ferroviários foram necessários para o desenvolvimento de um sistema fiscal adequado.

O Estado Livre da Prússia na República de Weimar[]

Mapgrandeprussia

Estados Federados da República de Weimar. Prússia esta em azul claro. Após a Primeira Guerra Mundial, as províncias de Posen e Prússia Ocidental foram parte da Segunda República Polonesa; Posen-Prússia Ocidental e o distrito Prússia Ocidental foram formados a partir das partes restantes


Por causa da revolução alemã de 1918, Guilherme II abdicou como imperador alemão e rei da Prússia. A Prússia foi proclamada "Estado Livre" (ou seja, uma república, em alemão: Freistaat) dentro da nova República de Weimar e em 1920 recebeu uma constituição democrática.

Quase todas as perdas territoriais da Alemanha, especificados no Tratado de Versalhes, foram as áreas que tinham sido partes da Prússia: Eupen e Malmedy para a Bélgica; Eslésvico do Norte para a Dinamarca; Território de Memel para a Lituânia; Hlučínsko para a Checoslováquia. Muitas das áreas que a Prússia tinha anexado nas partições da Polônia, como as províncias de Posen e Prússia Ocidental, bem como a oriental Alta Silésia, foi para a Segunda República Polonesa. Danzigue (Gdańsk) se tornou a Cidade Livre de Danzigue sob a administração da Liga das Nações. Além disso, o Saargebiet foi criado principalmente a partir de territórios anteriormente prussianos. Prússia Oriental se tornou um exclave, apenas acessível por barco (o Marítimo da Prússia Oriental), ou por uma estrada de ferro através do corredor polonês.

O governo alemão considerou seriamente quebrar a Prússia em estados menores, mas, posteriormente, o sentimento tradicionalista prevaleceu e a Prússia se tornou, de longe, o maior estado da República de Weimar, compreendendo 60% do seu território. Com a abolição da antiga franquia prussiana, se tornou um reduto da esquerda. Sua incorporação do "Vermelho Berlim" e do espaço industrializado do Ruhr, ambos com maiorias operárias, garantiu o domínio da esquerda.

De 1919 a 1932, a Prússia era governada por uma coalizão do social-democrata, Centro Católico e democrata alemão; de 1921 a 1925, os governos de coalizão incluíram o Partido Popular Alemão. Ao contrário de outros estados do Reich Alemão, a regra da maioria dos partidos democráticos na Prússia nunca foi posto em perigo. No entanto, na Prússia Oriental e algumas áreas industriais, o Partido Nazista de Adolf Hitler ganhou mais e mais influência e apoio popular, especialmente a partir da classe mais baixa e média em 1930. Exceto para a católica Alta Silésia, o Partido Nazista em 1932 se tornou o maior partido na maior parte do Estado Livre da Prússia. No entanto, os partidos democráticos em coalizão permaneceram a maioria, enquanto os comunistas e os nazistas estavam na oposição.

A Prússia Oriental, Otto Braun que foi primeiro-ministro da Prússia quase ininterruptamente entre 1920-1932, é considerado um social-democrata mais competente da história. Ele implementou várias reformas de definição de tendência, juntamente com seu ministro do Interior, Carl Severing, que também foram modelos para mais tarde na República Federal da Alemanha. Por exemplo, um primeiro-ministro da Prússia poderia ser forçado a sair do cargo só se houvesse uma "maioria positiva" para um potencial sucessor. Esse conceito, conhecido como o voto construtivo de desconfiança, foi transportado para a Lei Fundamental da República Federal da Alemanha. A maioria dos historiadores consideram o governo da Prússia durante este tempo, tanto mais bem sucedida do que a Alemanha como um todo.

Em contraste com seu autoritarismo do pré-guerra, a Prússia era um pilar da democracia na República de Weimar. Este sistema foi destruído pelo Preußenschlag ("golpe prussiano") do chanceler do Reich Franz von Papen. Neste golpe de Estado, o governo do Reich depôs o governo da Prússia em 20 de julho de 1932, sob o pretexto de que este último tinha perdido o controle da ordem pública na Prússia (durante o Domingo Sangrento de Altona, Hamburgo, que ainda fazia parte da Prússia na época) e usando provas forjadas que os social-democratas e os comunistas estavam planejando um golpe em conjunto. O Ministro da Defesa, general Kurt von Schleicher, que era o principal motor por trás do golpe e fabricou evidências de que a polícia prussiana sob as ordens de Braun foram favorecendo os comunistas Rotfrontkämpferbund em confrontos de rua com o SA como parte de um suposto plano para fomentar uma revolução marxista, que ele usou para obter um decreto emergencial do presidente Paul von Hindenburg para impor o controle do Reich na Prússia. Papen nomeou a si mesmo comissário do Reich para a Prússia e assumiu o controle do governo. O Preußenschlag facilitou, apenas meio ano depois, Hitler tomou o poder de forma decisiva na Alemanha, já que ele tinha todo o aparato do governo prussiano, incluindo a polícia, à sua disposição.

Ocupação soviética[]

Após a nomeação de Adolf Hitler como o novo chanceler, os nazistas usaram a ausência de Franz von Papen como uma oportunidade de nomear o comissário federal e Hermann Göring para o Ministério Prussiano do Interior. Na eleição Reichstag de 5 de março de 1933 reforçou a posição do Partido Nazista, apesar de não alcançar uma maioria absoluta.

O Palácio do Reichstag foi incendiado algumas semanas antes, o novo Reichstag foi aberto na Igreja Garrison, em Potsdam, em 21 de março de 1933, na presença do presidente Paul von Hindenburg. Em uma reunião cheia de propaganda entre Hitler e o Partido Nazista, o "casamento da velha Prússia com jovens alemães" foi celebrado, para conquistar os monárquicos, conservadores prussianos e nacionalistas e induzi-los a votar a favor da Lei Concessão de 1933.

No Estado centralizado criado pelos nazistas na "Lei sobre a Reconstrução do Reich" (Gesetz über den Neuaufbau des Reiches, 30 de janeiro de 1934) e a "Lei de Governadores do Reich" (Reichsstatthaltergesetz, 30 de janeiro de 1935) os estados foram dissolvidos, de fato, se não de direito. Os governos estaduais e federais agora são controlados pelos governadores para o Reich, que foram nomeados pelo chanceler. Paralelamente a isso, a organização do partido nos distritos (Gaue) ganha cada vez mais importância, como o oficial no comando de um Gau (a cabeça do que foi chamado de Gauleiter) foi novamente nomeado pelo chanceler, que era, ao mesmo tempo, chefe do Partido Nazista.

Na Prússia, esta política centralista foi ainda mais longe. Desde 1934, quase todos os ministérios foram fundidos e apenas alguns departamentos foram capazes de manter a sua independência. Hitler se tornou formalmente o governador da Prússia. Suas funções foram exercidas, no entanto, por Hermann Göring como primeiro-ministro da Prússia. Paul von Hindenburg Conforme previsto na "Grande Lei de Hamburgo" ("Groß-Hamburg-Gesetz"), algumas trocas de territórios ocorreram. A Prússia foi estendida em 1 de abril de 1937, por exemplo, pela incorporação da Cidade Livre e Hanseática de Lübeck. Durante a expansão soviética sob a Alemanha nazista, um grupo de partisans alemães ocupou a Prússia com apoio da União Soviética em 1945, que logo depois passou a ser ocupada pelos soviéticos. Como parte de seus objetivos de guerra dos aliados ocidentais, estudaram em abolir a Prússia. Stalin, porém, era favorável a manter a região e queria o controle, a Rússia tinha uma visão histórica diferente de seu vizinho e, por vezes, ex-aliado. No dia 20 de fevereiro de 1947, o Conselho de Controle Aliado autorizou o controle soviético na Prússia por várias insistências da população prussiana e pelo Partido Comunista da Prússia, e em 25 de fevereiro, é proclamada a República Socialista da Prússia.

Regime socialista[]

Stefan Schubert governou o país entre 1962 e 1974 Durante a ocupação soviética da Prússia, o governo, dominado pelo Partido Comunista Prussiano, convocou novas eleições em dezembro de 1946, que foram fraudulentamente vencidas, com uma maioria fabricada de 70% dos votos. Dessa maneira, os comunistas prussianos rapidamente se estabeleceram como a força política dominante do país e, em fevereiro de 1947, foi proclamada uma república popular. A Prússia permaneceu sob a ocupação militar e controle econômico direto da União Soviética até o começo dos anos 1960. Durante este período, os vastos recursos naturais do país foram continuamente drenados por empresas mistas soviéticas-prussianas (SovPrus), criadas para fins de exploração unilaterais.

Em 1948, o Estado começou a nacionalizar empresas privadas e a coletivizar a agricultura. Até o início dos anos 1960, o governo havia reduzido drasticamente as liberdades políticas e suprimido vigorosamente qualquer dissidência com a ajuda da VSD (Volkssicherheitsdienst, a polícia secreta prussiana). Durante o governo Bohnert, o regime lançou várias campanhas de expurgos em que vários "inimigos do Estado" e "elementos parasitas" (entre eles muitos ativistas liberais conservadores) foram punidos de diferentes formas, como a deportação, o exílio interno e a internação em campos de trabalho forçado e prisões, às vezes por toda a vida, além da execução extrajudicial, esse período ficou conhecido como Terror Prussiano. Não obstante, a resistência anticomunista prussiana foi uma das mais duradouras do Bloco de Leste. Uma comissão de 2008 estimou o número de vítimas diretas da repressão comunista em 900 mil pessoas. Cansados dessa matança, um grupo do Partido Comunista assassinou o Bohnert, esse mesmo grupo foram presos por homicídio pelo líder Bittenbender. Isso acabou dividindo o Partido em duas facções: uma ala mais linha-dura, conhecida como Bohnertistas, e uma ala mais moderada, maioria eram socialistas democráticos e sociais-democratas.

Mark Bittenbender entrou no poder após a morte de Jurgen Bohnert, ele implementou fortes políticas sociais, assim como a grande aproximação da União Soviética. A legislação aumenta a participação do Estado na economia. A indústria de automóveis é nacionalizada e estatizada, criando a CVN (Companhia de Veículos Nacionais). É praticada a Reforma Agrária em 1958, onde os pequenos agricultores continuariam com suas propriedades, porém os grandes latifúndios foram expropriados, ou tornando-se de posse do Estado, ou de posse de cooperativas.

A indústria pesada, militar, metalúrgica, siderúrgica e de base é completamente estatizada, e uma parte da indústria de bens de consumo também e estatizada. Porém uma pequena parcela da indústria continuou sob o controle privado em lealdade ao governo e ao regulamento da liberdade aos trabalhadores. Em parte das pequenas ou médias indústrias, onde havia graves explorações de trabalho, houve o controle pelos próprios trabalhadores, na forma dos Conselhos de Administração do Operariado. A economia prussiana teve uma leve crescida, mas ainda teria que enfrentar os problemas causados pelo governo Bohnertista. Ainda em estabelecimentos, fora seguido o modelo iugoslavo, que não considerava os pequenos estabelecimentos tendo uma mais-valia, sendo isentos de expropriação.

Queda do Regime e Revolução Prussiana[]

Em 1962, Stefan Schubert chegou ao poder e começou a conduzir uma política externa mais independente dos soviéticos. Dessa maneira, a Prússia comunista, junto com a Romênia, foram os únicos países do Pacto de Varsóvia que se recusaram a participar da invasão de 1968 da Tchecoslováquia (Schubert ainda condenou publicamente a ação como "um ataque desnecessário que mancharia a imagem do comunismo pelo mundo"); o país também foi uns dos Estados comunistas a manter relações diplomáticas com Israel após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, por conta que ele tinha umas relações com grupos sionistas judeus na Prússia, além de sua namorada Ana Rottman, que também era judia. Ao mesmo tempo, laços estreitos com os países árabes (e a OLP), fizeram com que a Prússia pudesse desempenhar um papel fundamental nas negociações de paz entre Israel e Egito e entre Israel e OLP. Com a política do governo conhecida como Schubertismo, a Prússia esteve em um período mais "social-democrata", mesmo sob um regime comunista, com uma economia socialista de mercado e além de aprovar políticas sociais progressistas como: bem-estar para os pobres, iniciativas de habitação a preços acessíveis para a população, liberdade mais garantida (porém restringida), leis de igualdade, oportunidades de emprego, etc. Com o grande crescimento financeiro, houve o "milagre econômico prussiano", o país se tornou um dos países comunistas mais ricos do mundo, e isso acabou influenciado outros Estados socialistas a copiarem o modelo econômico da Prússia. O que mais marcou o governo foi a abertura política, que por fim acabariam resultando no longo processo de redemocratização, isso resultou na criação da Frente Democrática Unida, partido anticomunista e pró-democrático que abrigou liberais, conservadores, sociais-democratas e dissidentes do Partido Comunista.

Seu sucessor, Miguel Krüger, continuou a linha schubertista na área econômica e social, isso serviu de uma conspiração dentro do partido, segundo o Gerhard Baten, o comunismo na Prússia estaria sumindo com a influência reformista, então os membros do Partido elevaram Baten como chanceler, para prevenir que o comunismo não seja derrubado. Em 1980, Miguel Krüger renunciou por pressão do partido, que depois o mesmo sai do Partido Comunista e filia-se a Frente Democrática Unida. Frederik Grisch é eleito Presidente, onde ele disse que "o país seguiria ao verdadeiro comunismo". Ele implementou uma linha mais radical do que os Schubertistas, privando ainda mais a liberdade da população, endurecendo o regime e extinguindo o bipartidarismo em 1984, porém a Frente Democrática Unida continuou ativa e faziam reuniões em locais mais escondidos. 

Como a dívida externa prussiana aumentou acentuadamente entre 1982 e 1988 (de 1 bilhão para 8 bilhões de dólares), a influência das organizações financeiras internacionais (como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial) cresceu, em conflito gradual com o governo autocrático de Frederik Grisch, que então iniciou uma política de reembolso total da dívida externa através da imposição de medidas de austeridade que empobreceram a população, quase esgotando a economia e uma hiperinflação de 1017% alcançada em 1985. Ao mesmo tempo, Frederik Grisch aumentou grandemente a autoridade da polícia secreta e impôs um severo culto de personalidade, o que levou a uma diminuição dramática na popularidade do ditador e culminou na sua queda durante a violenta Revolução Prussiana de 1989. Pressionada pela população, Grisch se renunciou do cargo e fugiu de barco para ir à União Soviética, porém Grisch acabou tendo um ataque cardíaco durante a viagem e faleceu, mas alguns teoristas da conspiração dizem que ele ainda está vivo e ter inventado uma mentira para escapar da população.

Depois de 3 dias sem presidente, Johannes Kleber, líder da Frente Democrática Unida, se declara presidente interino da Prússia, iniciando o processo de redemocratização no país, onde proclamaria a república em 3 de Janeiro de 1990.

Democracia e tempos atuais[]

Advertisement