FANDOM


Em setembro de 2022, no aniversário de 200 anos da independência do Brasil, a monarquia foi restaurada no país após levantes populares que pediam um plebiscito e a reforma constitucional para por fim a república presidencialista.

HistóriaEditar

Em outubro de 2018, novas eleições foram realizadas. O então presidente Michel Temer, ameaçou não entregar o poder e dar um golpe de estado. Nas eleições candidataram-se o deputado Jair Bolsonaro, o ex-presidente Lula e o senador Aécio Neves, com apoio de Temer. Um dia antes do primeiro turno, Temer permitiu que o exército ficasse nas ruas. Muitos temeram a Tomada Militar. Após o fim do turno, preparou-se o segundo turno. No dia 25 de outubro, um dia antes do segundo turno, Temer tramou com o exército. Depois das apurações, Lula ganhava as eleições, porém com apoio militar Temer deu o golpe de estado.

Na virada do ano, revoltas em São Paulo e Rio de Janeiro. A Marinha e grupos do Exército não apoiaram o golpe. Em março de 2019 é instaurada a República Temista, é decretado estado de sítio e de defesa, o congresso é fechado, Temer nomeia interventores nos estados. Amazonas, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Rio G.do Sul e Pará não reconhecem o governo de Temer. Apoiadas pela Marinha, as policias militares de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco formam a Frente Nacional Libertadora, liderada pelo Presidente Popular Lula. As policias do Amazonas e do Pará, apoiadas pelo CMA, formam o Norte-Livre.

Em Agosto, inicia-se uma briga armada entre o exercito e as forças da Frente Nacional, na chamada Batalha dos Paulistas. A Marinha inicia campanhas militares para tomar o Nordeste. A Guerra Civil-Militar Brasileira estava no seu ápice. O nordeste livre e os estados do norte formavam os Estados Livres do Brasil, o presidente era o Almirante-de-Esquadra Eduardo Bacellar Leal. Já os estados da Frente Nacional formavam o Brasil Unificado, tendo como presidente o Popular Lula. Apesar de tudo havia os pró-temistas que impediam o avanço das forças militares de Lula no Centro-Oeste e no Sul. O exército abandonou o governo, porém alguns poucos militares organizaram milicías em defesa do estado Temista. Polícias militares dos estados temistas conseguiram manter a ordem e controlar tentativas de tomadas dos "Unificados".

A guerra gerou mortes, prisões, a separação do país e a decadência da república. Em Maio de 2020, a guerra teve seu fim com a Tomada de Brasilía e a renúncia de Temer como presidente do Brasil. O Brasil unificou-se como Estados Unidos do Brasil. Lula foi empossado presidente popular do Brasil. Porém assumiu como chefe de estado, pois a chefia do governo estava entregue nas mãos do Senado.

Os estados temistas tiveram consideravel melhoria social, assim como os estados livres. A Ditaduta Temista e a Guerra Civil-Militar Brasileira desagradou grande parte dos brasileiros, levando eles a lutarem por novas formas de governo. Depois de longas manifesações e levantes da população, em dezembro de 2020, enfim o Parlamento aceita os pedidos do povo e resolve deliberar para aprovar o plebiscito. Em fevereiro de 2021, a Câmara aprova o plebiscito. Em março morre o presidente Lula, e o então presidente do Senado assume. Em Abril o plebiscito passa pelo Senado e é marcado para Agosto.

Em julho é formado a Assembléia Constituinte. No dia 14 de agosto ocorre o plebiscito, e no dia 15 do mesmo mês é feita a apuração. A monarquia vencera o plebiscito. A Constituinte reuniu-se e criou a Real Constituição. No dia 5 de setembro, a Familía Imperial Brasileira é dada como herdeira de direito do trono brasileiro. A Familía Imperial torna-se Real, já que a Real Constituição levava o Brasil a condição de Reino, como Reino das Provincias Unidas do Brasil, a monarquia era semi-presidencialista, ou seja separação de poderes de rei e do primeiro-ministro. Em 6 de setembro o Principe-Real D.Rafael jura obediência a constituição e em 7 de setembro, no bicentenário da independência, D.Rafael é coroado rei das Provincias Unidas do Brasil.

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.